21.5.07

bom demais, devo partir


passei milênios
de minha vida inútil
imaginando um céu
meu por direito.

as unhas cresceram
meu cabelo anelou

tatuei uma espada
em minha coluna
que dá para uma estrada
imprevista em runa
onde perdeu-se, talvez,
o meu sim e meu não.

saltei o abismo
ouvindo coldplay,
cumprindo ordem
do inglês que não sei.
mandou saltar, saltei.

aceitei o inferno
e para meu desespero
foi o céu que herdei.

O inferno é o céu que esperei
O inferno é o céu que esperei
O inferno é o céu que esperei
O inferno é o céu que esperei
O inferno é o céu que esperei
O inferno é o céu que esperei

todos lá, merecedores,
herdeiros por direito,
servindo-me
como a um rei eleito
no céu que herdei,

servindo-me por amor
trufas ao licor
pensei escrever um poema,
ou um filme trash,
algo pornô, desajuizado,
contar que sou pior
que Geni, Cruela
ou Madame Min.

Quanto mais horrorizo
mais me dão de comer.
Bom demais, devo partir.

Para onde se vai quando
não se tem para onde ir?

O inferno é o céu que esperei.

Meu Deus cartunesco
tiro-lhe o chapéu
trancou-me no céu que esperei.


texto e imagem:roberta silva

Um comentário:

Ricardo Mainieri disse...

Ragi :

Estou gostando de teu desempenho em textos mais longos.
Este está muito bom.

Beijão.

Ricardo Mainieri