6.6.07

Ovo de Phoenix





Desabei meu peso sobre mim
desfiz-me em cacos.
Vaguei pelo inverso do tempo
retalhado em farrapos.


Estive onde o som não chega
e pude ouvir o quanto grita
meu silêncio.


Lá onde a luz não alcança
percebi a falta
que faz meu brilho em mim.


Vi-me abandonada
por quem realmente importa.
Pedi-me socorro,

pequei por omissão.


Dei voz a cada pedaço de alma
que encontrei
e contei por cada um
a minha história em capítulos.


Se pude ler-me em outras línguas
sucumbi também ao peso
de cada palavra dita.


Desci, finalmente,
ao inferno que esperei.
Verdades, mentiras,
medos, virtudes
se aglomeraram
em um caos incandescente.


Meu universo está prestes a surgir...


texto e imagem: roberta silva

Um comentário:

BEBETO disse...

nossa! d+...
muito bonita sua poesia, tava apreciando um pouco alem da lazanha...
por aki é prato cheio ehhhh...
!bjO! Parabéns!