26.3.14

dor

é de uma lonjura que vem esta dor. desceu do ônibus depois de virar a primeira esquina. esperou no primeiro ponto depois da padaria. resolveu ir a pé para pensar na vida. parou no meio do morro para descansar. aceitou ajuda do moço sujo de tinta para carregar as sacolas. encostou no muro para ajeitar o prego na tira da sandália. botou as mãos nas cadeiras antes de seguir. deu uma olhada nas verduras de folha no carrinho da preta verdureira. parou no portão para procurar as chaves. entrou e se aboletou em mim.

Nenhum comentário: